A Topografia ou, Ceratoscopia Computadorizada de Córnea, é o exame indicado através do qual uma análise qualitativa e quantitativa do astigmatismo corneano pode ser realizada.

Originalmente, a Ceratoscopia não computadorizada já era realizada a partir da colocação de um disco plano, com faixas concêntricas alternadas em preto e branco (disco de Plácido), posicionado à frente da córnea.

Através de tal sistemática, o avaliador já observava através de uma abertura central o reflexo criado na superfície anterior da córnea. Tal método tinha o inconveniente de apenas fornecer informações qualitativas de acordo com as distorções observadas no reflexo dos anéis.

Com o advento da realização do mesmo exame através de computador, a capturação da imagem passou a ser convertida em um mapa topográfico colorido, onde a análise quantitativa da curvatura corneana tornou-se viável, passando-se também a serem produzidas análises qualitativas extremamente mais precisas e, classificatórias do astigmatismo quanto a sua regularidade e simetria.

Possíveis astigmatismos existentes são classificáveis mediante as seguintes características qualitativas:

a) Astigmatismo Regular, onde os dois meridianos principais encontram-se em ângulos retos;

b) Astigmatismo Irregular, onde os eixos não se encontram em ângulos retos ou, quando existe qualquer variação da superfície refrativa corneana;

c) Astigmatismo Simétrico, onde a córnea apresenta uma mesma curvatura ao longo de um meridiano;

d) Astigmatismo Assimétrico, onde a córnea apresenta diferente curvatura em um dos hemimeridianos, do mesmo meridiano.

Vários estudos de topografia de córnea em membros da família de pacientes com ceratocone têm revelado a presença de ceratocones em pessoas que aparentemente não apresentam qualquer sintoma da doença, o que se denomina ceratocone sub-clínico.

Diferentemente de uma topografia realizada em um olho normal, no ceratocone a topografia de córnea revela a presença de um astigmatismo irregular e assimétrico que, em geral apresenta uma maior curvatura na porção inferior da córnea.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .